Loading...

terça-feira, 31 de julho de 2012

FÉ MESSIÂNICA

Tudo, na vida humana, principalmente a nossa fé, tem de ser versátil ("enten-katsudatsu"), livre e desimpedido ("jiyu-mugue"). "Enten" significa "a roda gira". Se a roda possui arestas, não pode girar. Com muita razão se diz: "Aquela pessoa perdeu as arestas porque sofreu muito."

Entretanto, mais do que possuir arestas, existem pessoas que se assemelham ao "konpeito" (doce cheio de ângulos). Ao invés de rodarem, vivem se enroscando em toda parte. Há outras que sofrem dentro do próprio molde por elas criado, o que é desculpável, quando se limita a elas próprias; mas há quem considere boa ação atormentar o próximo, encurralando-o dentro desse molde.

Os exemplos que citamos são característicos da fé "Shojo" e não se limitam à Religião. A vida dessas pessoas cheira a mofo e causa náuseas.

"Jiyu-mugue" significa "não criar formas, normas e mandamentos" e, por extensão, "ser completamente livre de todas as limitações". Devo lembrar-lhes que não se trata de egocentrismo, e sim, da liberdade que respeita a liberdade alheia.

Sendo "Daijo", a Fé Messiânica difere muito da fé "Shojo", cujos preceitos são tão rigorosos que ela própria não consegue cumpri-los. Eles são cumpridos apenas superficialmente, não na sua essência. Essa duplicidade de ação gera fracasso e, ao mesmo tempo, constitui um mal, porque dá origem à hipocrisia. Assim sendo, as pessoas de fé "Shojo" são aparentemente boas, mas interiormente ruins. Ao contrário, as de fé "Daijo" sentem-se mais livres, alegres, sem necessidade de camuflagem, porque sabem respeitar a liberdade humana; nelas, a hipocrisia não tem lugar. Esta é a verdadeira e grata Fé Messiânica.

Em outras palavras, as pessoas de fé "Shojo" sofrem de mania de grandeza, tornam-se megalomaníacas, porque caem, sem querer, na hipocrisia. Isso as torna insuportáveis e antipáticas. Além disso, elas diminuem-se, ao invés de engrandecer-se. Chamamos de "homem limitado" a esse tipo de pessoa.

Na ocasião de levantar alguma construção, por exemplo, divirjo sempre do operário que se preocupa somente com a beleza exterior. Como isso, de certo modo, causa má impressão, faço-o corrigir as suas falhas. O mesmo se aplica aos homens. Os que procuram ser modestos são sempre mais respeitados, porque parecem mais nobres. Portanto, os que professam a nossa Fé, devem tornar-se alvo de um respeito sincero.

Meishu Sama em 20 de abril de 1949.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

A FONTE DA CORRUPÇÃO

Todos já devem estar fartos dos casos de corrupção, os quais, como é do conhecimento geral, têm ocorrido uns após outros. Talvez nunca tenha havido tantos ao mesmo tempo, como acontece no momento. Naturalmente, com o julgamento feito pelas autoridades, um dia ficará esclarecido se a alma das pessoas implicadas é "preta" ou "branca". Mas a importância do problema está no fato de que ele não pode ser resolvido apenas dessa forma. Excluindo o último acontecimento, no caso de tais escândalos, que se tornaram uma espécie de atividade anual desde os tempos antigos, não teremos uma solução definitiva se julgarmos apenas o que vem à tona. Urge erradicá-los de uma vez, pois eles são exatamente como larvas que proliferam num monte de lixo, e por isso é preciso fazer uma limpeza. Não há método mais eficaz e, com certeza, é o que o povo mais deseja. A única dificuldade é que não se tem consciência do ponto vital do problema.

Mas qual é esse ponto vital? É justamente o teísmo, aquilo que os intelectuais mais abominam. Na realidade, o ateísmo, ou seja, o contrário do teísmo, é a fonte da corrupção. Por isso é difícil lidar-se com esta. O ateísmo é o pensamento subversivo de que se pode praticar ações ilícitas, agir com esperteza, contanto que nada seja descoberto. Além disso, quanto mais se desenvolve a inteligência humana, mais hábeis se tornam os seus métodos.

Atualmente, pensa-se que o ateísmo é a principal condição para se obter sucesso, mas o interessante é que, quando se tenta colocá-lo em prática, nada corre como se esperava. Ainda que, momentaneamente, tudo corra bem, cedo ou tarde a pessoa acabará sendo desmascarada, como podemos constatar pelo caso a que nos referimos linhas atrás. Talvez as pessoas implicadas saibam disso até certo ponto; entretanto, uma vez que seu pensamento está fundamentado na sólida crença de que Deus não existe, elas não chegam a compreender de fato. Assim, é realmente duvidoso quantas pessoas conseguirão se arrepender e se regenerar, não obstante as consequências sofridas. A maioria deverá pensar: "Falhei porque o método empregado não foi bom e porque me faltou inteligência. Da próxima vez, agirei com mais habilidade e não serei apanhado de maneira alguma". Provavelmente seja este o pensamento natural dos ateus. Portanto, para acabar de vez com essa tendência ruim, é preciso cultivar o teísmo por meio da Religião. Não existe método mais eficiente.

Além disso, enquanto os ateístas forem numerosos nas camadas superiores, como acontece hoje, será difícil a sociedade sair do atoleiro ao qual está presa. É o que se evidencia quando analisamos o transcorrer do caso a que aludimos. Pelo que ficou esclarecido até agora - e talvez isto seja apenas uma pequena parte de um "iceberg" - os prejuízos causados à nação e o incômodo sofrido pelo povo são bem grandes. Também não podemos menosprezar a grande influência exercida sobre o pensamento do povo. Obviamente, se as pessoas da classe dirigente praticam más ações às ocultas e gozam do bom e do melhor, e se o dinheiro gasto desordenadamente pelos partidos e pelos políticos provém dos impostos pagos à custa do sangue e do suor do povo, este não se sente motivado a trabalhar honestamente. Por conseguinte, passa a pensar que, por mais que os dirigentes falem de coisas brilhantes e magníficas, ele não mais se deixará enganar. O respeito que até então as pessoas sentiam se transformará em desprezo, sua consideração pelo país diminuirá, e a ordem social perderá sua força. São, pois, incalculáveis os danos que isso trará ao destino da nação.

A causa da corrupção, conforme dissemos, é o ateísmo. Assim, a erradicação do pensamento ateísta é a chave principal para solucionar o problema. Para tanto, é preciso fazer com que as pessoas se conscientizem da existência de Deus através das ações dos religiosos. É preciso semear nelas a sólida crença de que, embora consigam enganar o próximo, não conseguirão enganar a Deus. Dessa forma, tornar-se-á impossível acontecerem casos de corrupção e outros semelhantes. Os personagens principais do caso recentemente descoberto, são pessoas que receberam educação esmerada, que ocupam considerável posição social, que são respeitadas e inteligentes. Mas fica uma dúvida: por que elas agiram daquela forma? Exatamente por causa do seu pensamento ateísta. Daí se conclui que a educação e os estudos nada têm a ver com o senso de moral. Como os planos foram habilmente arquitetados por pessoas tidas como dignas pela sociedade, julgar-se-ia impossível que eles fossem descobertos. Mas o fato é que se acabou criando um enorme problema, em consequência de uma pequenina brecha, tal como um pequeno buraco feito por uma formiga. Diante disso, só podemos pensar em juízo de Deus.

Existe outro fator importante. O Japão orgulha-se de ser um país regido por leis, mas, pensando bem, isso é um grande disparate. Se um país é regido apenas por leis, basta os criminosos serem hábeis para escaparem delas e fugirem à condenação, de modo que os maus elementos é que saem ganhando. Deter o mal através de jaulas chamadas leis significa tratar os seres humanos como animais. O pobre homem - soberano das criaturas - perde todo o seu "status". Se chamarmos a isso de nação civilizada, com certeza a civilização chorará de tristeza.

Sempre digo que a época atual é uma era semicivilizada e semi-selvagem, e provavelmente não há uma só pessoa que possa negá-lo. Suponhamos, por exemplo, que uma carteira esteja caída bem na frente de alguém. Tratando-se de uma pessoa comum, se ninguém estiver olhando, certamente ela a embolsará; quem não a embolsa de forma alguma é porque acredita sinceramente na existência de Deus. Formar pessoas desse tipo é a missão da Religião. Entretanto, as autoridades e os jornalistas mantêm-se indiferentes em relação a ela, tacham-na de supersticiosa e fazem tudo para que o povo se afaste dela, como se achassem sua existência desnecessária. Tal atitude é realmente incompreensível. Desse modo, eles se tornam aliados do ateísmo e, consequentemente, uma das principais causas da corrupção.

Por todos esses motivos, as autoridades devem, nesta oportunidade, abrir muito bem os olhos, numa visão espiritual, e tomar todas as providências que a situação requer. Caso contrário, esses problemas indesejáveis nunca serão exterminados, prejudicando enormemente o progresso da nação. Contudo, se elas lerem minhas palavras e, como de costume, não derem atenção ao problema, fazendo de conta que ele nem existe, provavelmente chegará o dia em que venham a se arrepender, mas então será tarde demais.

Atualmente, a nação está imprimindo um largo incremento à Educação e a outros setores, num esforço para desenvolver a inteligência do homem e reformar-lhe o pensamento. Todavia, enquanto não se exterminar pelas raízes o pensamento ateísta - que é a principal causa do problema - será como tentar encher uma peneira com água. Obviamente, os conhecimentos obtidos com tanto sacrifício viriam a ser mais utilizados para o mal do que para o bem. Seria, portanto, uma idiotice tão grande, que não há palavras para expressá-la. A melhor prova disso é o crescente aumento do número de crimes intelectuais à medida que a cultura progride.

Talvez seja inútil, mas, com esta explanação, desejo alertar os intelectuais do mundo inteiro.

Meishu Sama em 3 de março de 1954.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

FORMAÇÃO DO MUNDO NOVO

Conforme venho esclarecendo, a nossa Igreja é uma religião que abarca todos os campos da atividade humana e que poderia ser denominada Empresa Construtora do Novo Mundo. Entretanto, como isso pareceria fachada de alguma construtora civil, o jeito é chamá-la, por enquanto, Igreja Messiânica Mundial. O objetivo dessa organização religiosa é o progresso e desenvolvimento da civilização conciliando a ciência material e a ciência espiritual.

Sabemos que o conhecimento científico caminha velozmente, ao passo que o espiritual, baseado na Religião, caminha desesperadamente lento. A religião conservou seu estado inato, sem alcançar muito progresso, desde o início da civilização, há milhares de anos. Isso explica a grande distância entre ela e a Ciência. Esta última veio a destacar-se, e a parte espiritual distanciou-se a ponto de desaparecer da nossa vida. Por fim, o homem tornou-se indiferente ao espírito, chegando a confundir Ciência com Civilização. Ele se ajoelha diante do trono da Ciência e se satisfaz na sua condição de escravo. Este é o aspecto do mundo moderno. Por acaso o homem não prova isso entregando nas mãos da Ciência o que ele tem de mais precioso, que é a vida? Embora ela não consiga garantir a vida humana, os homens modernos não o percebem e continuam depositando-lhe cega confiança.

Deus compadeceu-se dessa cegueira e está procurando orientar o homem através de nossa Igreja. Por meio da realidade, o Todo-Poderoso revela que a vida não pertence à matéria, que apenas ela é invisível aos olhos humanos, mas possui existência absoluta sob Sua direção. A melhor prova consiste no fato de que pessoas desenganadas pela medicina são salvas freqüentemente pelo Poder Divino.

Surge, então, a seguinte pergunta: "Por que uma questão de vital importância, como a vida, permaneceu na obscuridade?" Efetivamente, isso ocorreu pela necessidade de impulsionar a cultura científica até certo ponto. Tal acontecimento faz parte da Providência Divina; é um fenômeno passageiro, proveniente da época e, na sua fase transitória, levado ao exagero. Mas Deus corrigirá tal exagero. Como Ele esclarece, nitidamente, o limite entre a ciência material e a ciência espiritual, esta acertará os passos com a primeira, progredindo e desenvolvendo-se até constituir-se um mundo realmente civilizado. Em resumo, o mundo presente termina aqui para dar origem a um novo mundo.

Meishu Sama em 30 de julho de 1952.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

AGUARDAR O TEMPO CERTO

A minuciosa observação dos vários setores sociais mostra como é grande o número dos fracassados.

Se o fracasso representasse sofrimento apenas para o próprio indivíduo, este poderia resignar-se, atribuindo a culpa à sua inexperiência e má sorte. Mas não é assim; a família também é atingida, há prejuízo para parentes e amigos, e o fato isolado acaba constituindo uma espécie de mal social. Logicamente, a pessoa não tinha intenção de prejudicar ninguém; no entanto, em decorrência de seu fracasso, muitas outras foram prejudicadas.

O problema não deve ser menosprezado. É preciso examiná-lo profundamente, pois, quase sempre, sua causa reside em fatores que passaram despercebidos.

De início, a pessoa concebe um plano, prepara-o cuidadosamente (pelo menos imagina que está agindo assim), mas, quando se entrega à execução da obra, as coisas não correm como pensava. Começam a surgir dificuldades e obstáculos, que lhe impedem o discernimento e descontrolam suas perspectivas de futuro. Essa é a trajetória habitual dos que fracassam. Vejamos a causa de sua derrota.

Podemos resumi-la numa frase: eles não levaram em consideração o tempo. Este, de modo geral, é um fator absoluto. Flores, frutos, produtos agrícolas, tudo tem seu tempo certo. Mesmo que as condições sejam favoráveis, se não forem levadas em conta as exigências da estação, isto é, do tempo, não haverá bons resultados.

As flores silvestres desabrocham na primavera, porque seus bulbos são plantados no outono; as flores dos jardins nos encantam do verão ao outono, porque seus bulhos e sementes são plantados na primavera.

Os frutos também têm sua época de amadurecimento. Não podemos sentir o seu sabor enquanto estão verdes; quando bem maduros, são deliciosos. Mesmo os produtos agrícolas, têm seu tempo de amanho, semeadura e transplantação. E devem estar de acordo com a terra e o clima.

Como vemos, a Grande Natureza ensina ao homem a importância do tempo. Em seu estado original, ela é a própria Verdade, e por isso serve de modelo a todos os projetos do homem. Eis a condição vital para o sucesso.

O Johrei, a Agricultura Natural e outros princípios preconizados por mim, praticamente não fracassam; eles alcançam os objetivos almejados porque se baseiam na Lei da Natureza.

Nunca me afobo quando planejo algo. Encaro o assunto com objetividade, examinando-o sob todos os ângulos possíveis, e ponho-me a refletir calmamente. Só me entrego aos preparativos indispensáveis, após me convencer de que o plano é correto e útil à humanidade em todos os aspectos e possui sentido duradouro.

Acontece que a maioria das pessoas não têm paciência para esperar. Lançam-se à obra prematuramente, provocando desequilíbrio entre o projeto e o tempo. Por se afobarem, aumentam esse desequilíbrio, e daí sobrevém o fracasso. Portanto, em todos os empreendimentos, o essencial é ter paciência para aguardar a chegada do tempo exato. As coisas possuem, infalivelmente, uma ocasião propícia. Com toda razão dizem os velhos provérbios: "Se esperarmos, teremos bom tempo para navegar", "A sorte se espera deitado" e "Mire cuidadosamente para acertar o alvo".

Muita gente se impacientou com meu sistema. Houve quem me apresentasse idéias e planos que, às vezes, eu prometia realizar. Como tardasse a executá-los, as pessoas reclamavam ou estranhavam. Quanto a mim, estava à espera do tempo adequado.

Os conhecidos aforismos "Agarre a oportunidade" e "Não perca a ocasião", confirmam o que estou dizendo.

Sentimos que estamos diante da ocasião propícia, quando, preenchidas todas as condições, passamos a sentir um forte impulso para executar o plano imediatamente. Tudo se processará, então, com facilidade, devido ao amadurecimento do tempo. Aguardando o tempo certo, estaremos poupando esforços e todas as coisas correrão bem. Em resumo, devemos refletir bem antes de agir. Por exemplo: se algo impede que uma pedra role morro abaixo, mas tentarmos empurrá-la, despenderemos muita força. Entretanto, se soubermos esperar pacientemente, o obstáculo irá sendo vencido pelo peso da pedra. Com o tempo, até o empurrão de um dedo a fará precipitar-se. É o que acontece com a oportunidade.

"Se o rouxinol não canta, esperarei até que ele cante". Esta frase foi dita satiricamente por Ieyassu Tokugawa, o fundador da dinastia Tokugawa, a qual governou o Japão durante trezentos anos porque ele soube dar tempo ao tempo.

Creio que o que dissemos é suficiente para compreenderem a importância do tempo. Nao Deguti escreveu: "Com o tempo nem Deus pode". Isso resume admiravelmente a verdade da questão.

Meishu Sama em 25 de junho de 1949.

sábado, 14 de julho de 2012

ELIMINAÇÃO DO MAL

O que é o mal?

Mal, sem dúvida, é ameaçar o próximo, causar-lhe sofrimento e prejudicar a sociedade em busca de vantagens pessoais. Por causa dele, os prejuízos individuais e sociais são incalculáveis. Em todo relacionamento humano, não há ninguém que, em maior ou menor proporção, não seja vítima do mal.

As pessoas se vêem obrigadas a reforçar janelas, trancar portas, mantê-las fechadas em pleno verão e deixar alguém de guarda ao se ausentar, a fim de impedir a entrada de gatunos. Também somos levados a desconfiar de quem nos acena com negócios vantajosos; enfim vemo-nos forçados a desconfiar de tudo. Além disso, qualquer notícia relativa a roubos na vizinhança perturba o sono de muitos, e sair à noite - principalmente tratando-se de mulheres - é extremamente perigoso. Não podemos descuidar-nos dos batedores de carteiras nos transportes coletivos, nem dos empregados infiéis, nem da vigilância rigorosa que as casas comerciais têm de manter para evitar fraudes. Vivemos assustados, intranqüilos, pois estamos cercados de velhacos. Eis a realidade do mundo atual.

Mas ainda há coisas piores. Os pais se preocupam com os filhos adolescentes expostos às tentações. As esposas vivem alarmadas com a infidelidade dos maridos, e estes, com a infidelidade das esposas. Surgem fracassos imprevistos nas empresas, e os gastos do Governo para manter a polícia e as instituições de defesa social, são enormes. Casas e firmas constroem sólidos depósitos para resguardar seus bens contra os assaltantes. Nas fábricas, há dispendiosa vigilância contra o furto de matérias-primas. Exigem-se providências contra a desonestidade de empregados por ocasião de armazenagem e pagamentos. Instalam-se cofres, cria-se exagerado número de livros de registro, guias e recibos, que devem ser carimbados um por um. As mercadorias são de qualidade duvidosa, os profissionais negligenciam seus serviços, as greves são mal intencionadas e os ricos buscam lucros excessivos. Todas estas coisas têm raiz no mal.

A desonestidade dos funcionários realiza-se quase à vista do público. Fala-se que se podem obter matrículas nas escolas por meio de gratificações, e alvarás, nas repartições públicas, agindo-se nos bastidores. É raríssima a imparcialidade em qualquer setor social. Ninguém acredita que seja possível sobreviver sem alguma forma de transação ilegal.

Se quisermos calcular a proporção do bem em relação ao mal, nesta enumeração de fatos, veremos logo que a proporção do mal é bem maior. Não conseguiremos, sequer, avaliar os prejuízos que sofrem os indivíduos e a sociedade, por mais que relacionemos os danos e a insegurança do mundo atual.

O progresso da civilização e o advento de um mundo melhor só serão possíveis pela erradicação do mal que ora nos aflige. Todas as questões, mesmo os sucessos e os fracassos, dependem do grau de incidência do bem e do mal. Portanto, os políticos e os educadores devem empenhar-se para diminuir a porcentagem do mal. E eu estou certo de que o único recurso para isto é a Fé Verdadeira.

Meishu Sama em 25 de janeiro de 1949.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

DINHEIRO MAL GANHO, DINHEIRO MAL GASTO

Há um antigo ditado que encerra uma grande verdade: "Dinheiro mal ganho, dinheiro mal gasto". Vou interpretá-lo espiritualmente.

Existem vários tipos de investimentos, como a Bolsa de Valores, o aumento ou a diminuição do preço das mercadorias, as apostas em corridas de cavalos, etc. De todos eles, o mais representativo é a Bolsa de Valores, e por isso vou me deter em sua análise.

Na época em que eu era agnóstico, lancei mão desse investimento. Durante alguns anos vendi e comprei ações, mas acabei tendo um grande prejuízo. Naturalmente, esse também foi um dos motivos que me levaram a entrar para a vida religiosa. Além disso, os conhecimentos que adquiri sobre o lado espiritual da questão, mostraram-me que jamais se deve fazer tal tipo de investimento. Gostaria, portanto, que as pessoas interessadas na Bolsa de Valores não deixassem de ler este artigo.

É costume dizer-se que, na Bolsa de Valores, cem pessoas perdem para uma lucrar, e é exatamente assim. Não existe, entretanto, uma só pessoa que, tendo-se tornado multimilionária da noite para o dia, consiga conservar essa fortuna por muito tempo. Além disso, quem tem grandes ganhos é quem mais perde; quanto mais a pessoa lucra, é como se em seu caminho existisse um precipício a esperá-la. Espiritualmente, a explicação é a seguinte:

A grande maioria das pessoas que perdem na Bolsa de Valores sente-se decepcionada, inconformada, querendo de qualquer jeito recuperar o dinheiro perdido. Conseqüentemente, esse ressentimento converge para a pessoa que lhes sugou o dinheiro, mas, como não sabem quem é, nem onde reside, acaba convergindo, naturalmente, para a Bolsa de Valores e se acumula nas notas de dinheiro. Analisando espiritualmente, no dinheiro que circula na Bolsa de Valores imprime-se, nesse momento, a imagem do ódio, do rancor, do ressentimento de milhares de pessoas. Como essas imagens e as próprias pessoas prejudicadas estão ligadas por um elo espiritual, o desejo que elas têm de recuperar o dinheiro perdido continuamente está puxando esse dinheiro. Por isso, ele nunca permanece muito tempo nos cofres da pessoa que o ganhou. Um dia, ele é puxado, e a pessoa sofre um grande prejuízo, ficando sem um vintém.

Isso não ocorre apenas nos investimentos, mas em tudo que se relacione com dinheiro. Por exemplo: quando as riquezas são obtidas de forma ilícita; quando não se dá a alguém, intencionalmente, o dinheiro que se deveria ter dado, quando não se paga uma dívida e em outras situações. Em tais oportunidades, a pessoa lesada fica furiosa, e, como no caso da Bolsa de Valores, aquele que a lesou fatalmente perderá dinheiro.

Outro fato que se precisa saber é que, desde os tempos antigos, muitos prédios religiosos ficaram reduzidos a cinzas em conseqüência de incêndios. Parece impossível que templos, relicários, santuários e outras construções realizadas com recursos puros sejam destruídos dessa forma. Mas existe um motivo. É que, por ocasião de se angariarem fundos para construí-los, forçou-se a situação. Às vezes, determina-se uma quantia para os membros ou igrejas filiais, que são forçados a colaborar. Mas é uma atitude errada. Tratando-se de ofertas em dinheiro para a Obra Divina, o correto é que a quantia seja determinada pela livre e espontânea vontade da pessoa. Só quando se faz uma oferta com alegria e satisfação é que o dinheiro se torna realmente puro. Outro fator importante é que as construções religiosas devem ser utilizadas de acordo com a Vontade de Deus; não se deve fazer coisas erradas, que as impregnem de máculas, caso contrário elas receberão o batismo do fogo.

Voltando ao caso da Bolsa de Valores, quando o objetivo não for o de lucrar com as cotações, trata-se de um bom investimento. Está muito certo comprar ações visando os juros, isto é, os dividendos; não representa "comprar" nenhuma espécie de rancor. Pelo contrário, é um investimento muito útil ao desenvolvimento da indústria e deve ser bastante incentivado.

Meishu Sama em 25 de junho de 1949.

terça-feira, 10 de julho de 2012

A DIALÉTICA DA HARMONIA

Harmonia é um velho termo que impressiona bem e sugere um princípio da Verdade. Contudo, não deve ser aceito cegamente, pois, embora essa interpretação não esteja errada, é muito superficial. Sendo assim, precisamos aprofundá-la.

Tudo que há no Universo acha-se em perfeita harmonia. Só há desarmonia para quem vê as coisas superficialmente - é um erro de ponto de vista. A desarmonia que se apresenta aos olhos do homem, é apenas aparente. Isso porque ela é criada pelos homens, e a sua causa é a ação antinatural. Ou seja, do ponto de vista da Grande Natureza, a desarmonia decorrente da ação antinatural é a verdadeira harmonia. Essa é a Verdade Absoluta.

Neste sentido, basta que o homem obedeça às Leis do Universo, para que todas as coisas se harmonizem e progridam normalmente. Assim, quando se provoca desarmonia, surge a desarmonia; caso contrário, surge a harmonia. Nisto consiste a Grandiosa Harmonia da Natureza. Para ser feliz, o homem precisa aprofundar seu conhecimento sobre este assunto. Temos tido freqüentes provas de que, com o tempo, a desarmonia momentânea se transforma em harmonia, e vice-versa. Essa é a realidade da vida, e reclama profunda reflexão.

Sintetizando: a desarmonia é produto da visão estreita ("Shojo"); a harmonia, produto da visão ampla ("Daijo").

Meishu Sama em 1º de outubro de 1952.

A CIÊNCIA CRIA AS SUPERSTIÇÕES

De uns tempos para cá, alguns jornalistas do Japão vêm tachando as religiões novas de supersticiosas e trapaceiras. Dizem eles que, após a Segunda Guerra Mundial, o povo japonês passou a viver uma situação muito confusa, e que, aproveitando-se disso, começaram a aparecer religiões trapaceiras e supersticiosas, confundindo ainda mais as pessoas. Assim eles se expressam a respeito, mas não tentam descobrir as causas do fato. Acham que as religiões novas são todas iguais e formulam definições baseadas apenas no seu entendimento pessoal e nos boatos.

Não podemos deixar de nos sentir decepcionados com a superficialidade do julgamento desses jornalistas, e achamos que é responsabilidade nossa orientá-los e ensiná-los a pensar de modo correto. Entretanto, não queremos negar totalmente sua atitude, pois, como a base de seu raciocínio é materialista, é natural que eles definam como superstição tudo aquilo que não vêem. Se estivéssemos em seu lugar, obviamente agiríamos da mesma forma. Negando-se, porém, a existência do invisível, como ficaria o mundo? Talvez o materialismo o levasse a uma situação calamitosa. As relações de amizade e amor entre as pessoas, inclusive o relacionamento entre pais e filhos ou entre irmãos, passariam a ser meros cálculos de vantagens e desvantagens. A sociedade seria fria como um cárcere de pedra, e nem mesmo os materialistas poderiam suportá-la. Vemos, pois, que o modo de pensar dos jornalistas a que nos referimos encontra-se entre duas posições, sem definição precisa.

Analisemos, a seguir, a situação real do mundo em que vivemos.

É considerável o número de pessoas supersticiosas entre os intelectuais. Há tempos, li uma estatística dos diferentes tipos de superstições que existem em cada país; a Alemanha, considerada uma das nações mais avançadas no ensino das ciências, acusava o maior número. Desse modo, notamos que as superstições crescem proporcionalmente ao progresso científico. Eis como interpretamos o fato:

Durante longo tempo, recebemos, nas escolas, um ensino materialista cuja base é a lógica; entretanto, quando terminamos os estudos e nos integramos na sociedade, encontramos uma realidade diferente, que está em desacordo com a lógica. Em consequência, a maioria das pessoas começa a ter dúvidas, porque, quanto mais age em conformidade com ela, piores são os resultados. Os mais inteligentes pensam, então, em estudar uma nova sociologia que esteja de acordo com a realidade social em que vivem. Como não existe esse tipo de curso, começam a estudar sozinhos. Se forem rápidos, conseguirão atingir seu objetivo em pouco tempo; alguns, todavia, levam muitos anos. Trata-se, em verdade, de um segundo aprendizado, completamente diferente do primeiro, que custou tanto sacrifício. Contudo, é um aprendizado real, seguro, e pode ser aplicado no dia-a-dia. Os mais bem dotados, tendo enfrentado as amarguras e doçuras da vida, adquirem larga experiência, tornando-se "doutores" nessa sociologia. A maioria deles, quando se acham a um passo disso, já estão velhos, sendo que muitos acabam a vida como pessoas comuns. Existem, no entanto, aqueles que sobressaem, como por exemplo o Sr. Yoshida, primeiro-ministro do Japão, o qual se destacou pela sua superioridade e habilidade política.

Com essa explicação, penso que entenderam a causa das superstições. Em resumo, se falhamos quando tentamos aplicar os conhecimentos adquiridos na escola - nos quais acreditávamos piamente - é fatal cairmos na dúvida. Nesse momento, torna-se muito fácil as pessoas ingressarem em religiões supersticiosas e trapaceiras. Podemos dizer, entretanto, que nenhuma das religiões existentes realmente esclarece dúvidas. Assim, compreendemos que a culpa de tudo cabe ao ensino ministrado nas escolas, o qual está muito distanciado da realidade, e concluímos que, em parte, as superstições são criadas por certo aspecto da Educação contemporânea.

Para finalizar, quero dizer que reconhecemos serem numerosas, atualmente, as religiões supersticiosas e trapaceiras, como dizem os jornalistas, mas achamos errado generalizar, porque, sem dúvida, existem algumas às quais não cabem tais designações. Ora, chamar de superstição aquilo que não o é, também constitui uma espécie de superstição. Nesse sentido, queremos prevenir aos jornalistas que escrevam sobre as religiões supersticiosas e trapaceiras, mas que não definam com esses termos qualquer religião, pois esse procedimento representa um obstáculo para o progresso da cultura.

Meishu Sama em 30 de janeiro de 1950.

terça-feira, 3 de julho de 2012

BONDADE E CORTESIA

Bondade e cortesia são as qualidades que mais faltam ao homem da atualidade.

Há um método que nos permite avaliar o nosso progresso na Fé e o nosso aprimoramento espiritual. Primeiro, devemos evitar as desavenças; depois, desenvolver a bondade; por fim, nos tornarmos mais corteses. Se conhecermos alguém com tais atributos, veremos logo que é pessoa polida, que se aprimorou e que possui o intrínseco valor da Fé. Essa pessoa será estimada e respeitada por todos; suas atitudes valerão como uma silenciosa divulgação de Fé; servirá como exemplo de Fé concretizada em atos.

Mas o mundo atual mostra-nos, a todo instante, como é carente dessa bondade e cortesia. Por toda parte, o ser humano vive a esmiuçar os defeitos alheios, odiando e recriminando a toda gente, salientando sempre os seus aspectos desagradáveis. Podemos afirmar que quase não existe cortesia no homem moderno. Há, nele, um requinte de egoísmo, grosseria, espírito calculista e constante desculpa para todos os erros que comete. Não lhe importa ser desagradável aos outros.

Tal procedimento jamais foi liberdade democrática; é um exagero nocivo, um abuso de egoísmo. Em tudo isso, o mais desprezível é que o homem se transforma em delator e perseguidor de seu próprio irmão, porque escasseia o sentido de amor humano. O aumento desse tipo de gente obscurece a sociedade, esfria o relacionamento entre os homens e engrossa a fileira dos desiludidos. Por isso é que os suicídios aumentam cada vez mais.

A verdadeira civilização resultará do crescente número de pessoas que agem conforme o cavalheirismo inglês ou a filantropia americana. Ser fiel às regras morais permite a formação de uma sociedade agradável, onde reina o conforto. Se tal sociedade puder ser criada, o Paraíso será uma realidade para o homem.

No Japão, há um assunto que tem interessado a muitos: a necessidade econômica de desenvolver o turismo. As instalações materiais são importantes; mais importante, no entanto, é a boa impressão que possam ter aqueles que nos visitam. Bondade, higiene e cortesia não custam dinheiro e são elementos essenciais, que atraem os turistas.

A formação desse homem bondoso e cortês depende unicamente da Fé e constitui a diretriz de nossa Igreja, que, nesse sentido, vem se desenvolvendo cada vez mais.

Meishu Sama em 25 de outubro de 1950.

BOM SENSO

Para que a Fé seja autêntica, ela deve ser professada sem ferir o bom senso. Palavras e atos excêntricos devem ser vistos com desconfiança; entretanto, as pessoas geralmente dão muito crédito a tais coisas.

É preciso muita cautela. Religiões egocêntricas, fechadas, que não mantêm relações com outras e que se isolam socialmente, também não são dignas de confiança. A Fé é verdadeira quando não prejudica a lucidez e, ao mesmo tempo, desenvolve a consciência de que sua missão é salvar a humanidade. Jamais pode ser egoística ou fechada em si mesma. O Japão é exemplo típico do que aqui se condena: sofreu amarga derrota na Segunda Guerra Mundial porque visava apenas o seu próprio bem, ficando indiferente à sorte dos países vizinhos.

A formação de homens perfeitos é um dos propósitos da Fé. Evidentemente, não se pode exigir a perfeição do mundo, mas o esforço para consegui-la passo a passo deve ser a verdadeira atitude religiosa.

A consolidação da Fé faz com que a pessoa assuma uma aparência comum. Isto significa que ela se identificou plenamente com a Fé. Chega a tal ponto, que seus atos ou palavras jamais ferem o bom senso. Sempre inspira simpatia, sem dar indícios da religião a que pertence. No seu contato com os outros, assemelha-se à suave brisa da primavera. Suas maneiras são afáveis, modestas e gentis. Deseja crescente bem ao próximo e trabalha em favor do bem-estar da comunidade.

Sempre afirmei e continuo afirmando: quem deseja ser feliz, deve primeiramente tornar feliz seus semelhantes, pois a Divina recompensa que disto provém, será a Verdadeira Felicidade. Buscar a própria felicidade com o sacrifício alheio, é criar infelicidade para si mesmo.

Meishu Sama em 25 de janeiro de 1949.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

CONSTITUIÇÃO DO MUNDO ESPIRITUAL

Como explanei em outras oportunidades, o Mundo Espiritual está constituído dos planos Superior, Intermediário e Inferior, cada um formado de três níveis, perfazendo um total de nove. A diferença entre eles é determinada por dois fatores: a luz e o calor.

No nível mais alto do Plano Superior, a luz e o calor são extremamente intensos; o nível mais baixo do Plano Inferior caracteriza-se pela ausência desses elementos; o Plano Intermediário situa-se entre os dois, correspondendo ao Mundo Material. Neste mundo existem pessoas felizes e pessoas infelizes; isso equivale a estarem respectivamente nos Planos Superior e Inferior.

Como no nível mais alto do Plano Superior a luz e o calor são muito fortes, seus habitantes vivem quase nus. Poderão ter uma idéia disso lembrando que, nas estatuetas búdicas, Nyorai e Bossatsu são representados no estado de seminudez. À medida que se desce para o Segundo Céu, Terceiro Céu, etc., a luz e o calor diminuem. Se um espírito fosse repentinamente elevado do Plano Inferior para o Superior, seria ofuscado pela luz intensa e não suportaria o calor; preferiria, então, retornar ao Plano Inferior. Isso é idêntico ao que acontece no Mundo Material: uma pessoa de baixa categoria elevada a uma posição alta sem ter merecimento, tem mais sofrimentos do que satisfação.

No Plano Superior, a divindade mais alta e mais sagrada é Deus. Toda organização religiosa tem uma divindade padroeira e também um fundador. Exemplifiquemos com o xintoísmo: na seita "Taisha-Kyo", o padroeiro é Okuninushi no Mikoto; na seita "Ontake-Kyo", é Kunitokotati no Mikoto; na seita "Tenri-Kyo", é Tohashira no Kami. O budismo também serve como exemplo: na seita "Shinshu" é Amida Nyorai; na seita "Zen-Shu" é Daruma Daishi; na seita "Tendai" é Kanzeon Bossatsu; etc. Os fundadores de seitas, como Kobo, Shinram, Nitiren, Honen e outros, situam-se na classe de líderes de cada comunidade. Assim, ao entrarem no Mundo Espiritual, os espíritos das pessoas que tinham religião durante a vida terrena ligam-se à organização a que elas pertenciam, e não se pode calcular o quanto são mais felizes que os espíritos dos descrentes. Estes, não tendo uma organização à qual filiar-se, ficam perdidos, extremamente confusos, vagando pelo Mundo Espiritual.

Desde épocas remotas fala-se sobre "espíritos errantes", porque tais espíritos ficam perambulando pelo Plano Intermediário. Uma vez passando para o Mundo Espiritual, aqueles que não reconhecem a sua existência e não crêem na vida após a morte, não podem se fixar em nenhum lugar, ficando privados de inteligência e juízo durante certo tempo. Como exemplo, citarei um caso ocorrido há alguns anos.

Numa reunião de pessoas que pesquisavam fenômenos espirituais, o espírito de um homem muito famoso manifestou-se, através de um médium. Chamaram, então, a esposa do falecido, a qual, pela maneira como o espírito falava e agia, confirmou que realmente se tratava do marido. Fizeram-lhe muitas perguntas, mas as respostas não eram corretas nem lúcidas, apesar do seu nível de cultura no Mundo Material. Isso acontecia porque aqui neste mundo ele não acreditava na existência do Mundo Espiritual. Vemos, pois, que é necessário o homem crer na existência do Mundo Espiritual e, assim, preparar-se para a vida após a morte.

Mas será que existe realmente aquilo que chamo Plano Superior, mais conhecido como Céu ou Paraíso? A maioria das pessoas pensa que não passa de fantasia dos homens de eras passadas, porém eu estou absolutamente convicto de que ele é uma realidade.

Há uma estória nesse sentido. Faz muito tempo, um sacerdote budista de alta categoria e um catedrático discutiam sobre a existência do Inferno e do Paraíso após a morte. Ao final da discussão, o sacerdote concluiu que eles existem, e o catedrático, que não existem. Enfim, alegando que para ter certeza não havia outro meio senão morrer, o religioso sugeriu que ambos se matassem, e em vista disso o catedrático se rendeu.

O assunto não é para brincadeira, mas, embora o sacerdote budista estivesse com a verdade, se pudermos conhecer o Mundo Espiritual sem recorrer a esse extremo, será muito melhor, não é mesmo?

Citarei alguns fenômenos que pude comprovar através das minhas próprias experiências.

Uma senhora de trinta anos, esposa do diretor de uma empresa, solicitou a minha ajuda por estar gravemente enferma. Como já tinha sido desenganada pelo médico, seus familiares me suplicaram que a salvasse.

Ela residia a cerca de quarenta quilômetros de distância, razão pela qual não me era possível visitá-la com a freqüência que o caso requeria. Por isso, trouxemo-la imediatamente para a minha casa. Pensando na possibilidade de acontecer o pior durante a viagem, o marido também veio com ela no carro. Eu, ao mesmo tempo em que a segurava com uma das mãos, ministrava-lhe Johrei com a outra.

Chegamos sem que houvesse acontecido nada daquilo que nos estava preocupando, mas, pela madrugada, fui tirado da cama pelo acompanhante da doente. Fui vê-la imediatamente. Segurando minha mão com força, ela me disse: "Sinto que algo vai sair de mim e estou com muito medo. Deixe-me segurar sua mão. Tenho o pressentimento de que vou morrer hoje. Chame meus familiares com urgência".

Telefonei-lhes incontinenti, e, quando eles chegaram, acompanhados do médico da firma onde o marido da senhora trabalhava, já tinha decorrido uma ou duas horas. A essa altura, ela estava em coma e com o pulso bastante fraco. O médico examinou-a e disse que era questão de horas.

À noite, rodeada pelos familiares, a enferma continuava em estado de coma. De repente, mais ou menos às vinte horas, abriu os olhos e começou a olhar à sua volta, como se não estivesse entendendo nada. Por fim explicou: "Fui para um local muito bonito, tão maravilhoso que nem sei como descrevê-lo. Era um jardim todo florido, onde estavam muitas pessoas de rara beleza, e lá no fundo divisei um senhor de ares nobres, semelhante à figura de Kanzeon Bossatsu que se vê em pinturas sacras. Ele olhou na minha direção e sorriu. Fiquei tão grata, que me prostrei no chão, mas logo recobrei os sentidos. Agora estou me sentindo muito bem, como não acontecia desde que adoeci".

No dia seguinte, ela não tinha mais nenhum sofrimento; estava salva, embora continuasse fraca. Após um mês mais ou menos, recuperou completamente a saúde. Esse exemplo nos mostra que o espírito daquela senhora se separou do corpo por alguns instantes e foi para o Céu, sendo purificado dos seus pecados por Kanzeon Bossatsu.

Outro exemplo.

Uma jovem de aproximadamente vinte anos foi curada de tuberculose pulmonar em estado gravíssimo, mas, depois de aproximadamente um ano, teve uma recaída e faleceu. Essa jovem tinha um irmão mais velho, vadio e viciado em bebida. Um dia, dois ou três meses depois que ela morreu, estando sentado no seu quarto, ele notou uma espécie de fumaça ou neblina roxa a uns dois metros à sua frente, no alto. Essa nuvem começou a descer devagarinho, e acima dela, de pé, ele viu sua falecida irmã. Olhando bem, notou que ela estava muito mais bonita do que quando era viva; vestia-se elegantemente e irradiava uma nobreza divinal. Ela, então, lhe disse carinhosamente: "Vim para aconselhá-lo a abandonar a bebida. Pense no bem da nossa família e no seu próprio e deixe o álcool". Dizendo isso, subiu novamente na nuvem e começou a elevar-se até desaparecer.

Decorridos alguns dias, aconteceu a mesma coisa, e o fato tornou a se repetir pouco tempo depois. Na terceira vez, surgiu diante do rapaz uma bela ponte curva, toda pintada de vermelho, e a irmã, descendo da nuvem, atravessou essa ponte e lhe disse: "É a terceira vez que venho. A partir de hoje não terei mais permissão para vir. Esta é a última vez". Depois disso, o fato não se repetiu. Através desse caso, vemos que é possível ter "visões" temporariamente.

Mais um exemplo.

Um rapaz de vinte e poucos anos sofria de uma doença que poderíamos classificar de psíquica. Nessa época, ele estava loucamente apaixonado por uma mulher que trabalhava num bar noturno, e os dois iam suicidar-se juntos. Entretanto, a um passo da tragédia, tive a grata felicidade de salvá-los, pois encontrei, no bolso do rapaz, o veneno que ambos iam tomar.

Levando o casal para minha casa, examinei-os espiritualmente. Segundo constatei pelas palavras do próprio rapaz, um espírito de raposa encostara nele para levá-lo ao suicídio. Nuns vinte minutos terminei o exame, não sem antes ter advertido aquele espírito. O jovem, no entanto, continuava na postura anterior, de olhos cerrados e com as palmas das mãos unidas à altura do peito. Virando-se para a esquerda, inclinou a cabeça como se não compreendesse algo. Passados uns três ou quatro minutos, abriu os olhos, mas continuou de cabeça inclinada. Disse então: "Vi uma coisa bastante estranha. Alguém ao meu lado estava tocando "koto" (3)(### "Koto": instrumento musical de corda, tipicamente japonês ###), e o som desse instrumento era extraordinariamente belo e nobre. Embevecido, eu olhava à minha volta e notei que estava num lugar que me pareceu o interior de um santuário muito espaçoso. No fundo havia uma escada que levava a uma sala toda acortinada. Aí, o senhor, vestido com trajes litúrgicos, subiu a escada suavemente e entrou na sala".

Ouvindo isso, eu comentei: "Se você viu a pessoa de costas, não podia ter reconhecido quem era". Mas ele confirmou: "Tenho a certeza de que era o senhor". E descreveu a indumentária que, segundo disse, era constituída de chapéu, blusa azul e calça vermelha. Ele pôde "ver" isso porque, momentaneamente, teve a faculdade de visão espiritual. Esse rapaz era empregado de uma loja e não professava nenhuma Fé, não tinha nenhum conhecimento sobre assuntos espirituais; portanto, creio que o seu relato merece ainda mais confiança. Ressalta-se que à esquerda do lugar onde ele estava sentado ficava o Altar.

Os três exemplos citados poderão servir de ilustração para o conhecimento do interior e do exterior da morada celeste, e também para comprovação da descida de seus habitantes.

Em seguida, escreverei sobre as condições do Paraíso Búdico.

Uma moça virgem, de dezoito anos, serviu de médium, incorporando o espírito de um de seus ancestrais, um samurai que falecera numa batalha travada há mais de duzentos anos. Fora ardoroso adepto do budismo e pouco depois de falecido entrou na seita fundada por Kobo Daishi. Em resposta às minhas perguntas, ele disse:

"Quando eu cheguei aqui, havia uns quinhentos ou seiscentos espíritos, mas, ano após ano, reencarnavam mais espíritos do que entravam, de modo que agora só existem mais ou menos cem.

Moramos numa casa grande, mas não há serviço propriamente dito, e passamos as horas divertindo-nos: tocamos "koto", "shamissen" (4)(### "Shamissen": espécie de violão ###), flauta, tambor e outros instrumentos musicais; pintamos, esculpimos, lemos, escrevemos, jogamos xadrez, cartas, etc., ou divertimo-nos de outras maneiras que também existem no Mundo Material. De vez em quando há palestras feitas pelo próprio Kobo Daishi e por outros espíritos, e isso constitui a maior das alegrias para nós. Às vezes Kobo Daishi encontra-se com Buda, mas este, segundo ele diz, está num nível acima do Paraíso, onde a luz é muito intensa; quase não se pode olhar para cima, de tão ofuscante que ela é.

Fora da casa, há um grande lago em cuja superfície bóiam inúmeras "hassu no ha" (folhas semelhantes à vitória-régia do Rio Amazonas), tão grandes que nelas cabem duas pessoas. A maioria é ocupada por casais, que nem precisam remar para se dirigir ao local aonde desejam ir. Não há noite; é sempre dia, e a claridade é um pouco inferior à do dia claro. O sol é semelhante ao do Mundo Material, e seus raios luminosos, purpurinos e suaves, provocam uma sensação agradável".

Em muitas oportunidades ouvi os espíritos que habitam o Paraíso Búdico dizer que se sentem entediados quando já se encontram ali há muito tempo. Como estão sempre se divertindo, acabam perdendo o interesse e por isso manifestam o desejo de serem transferidos do Mundo Búdico para o Mundo Divino. Não foram poucos os espíritos que transferi para este último, atendendo a seus pedidos. Tal desejo é motivado pelo fato de saberem que o Mundo Divino entrou recentemente numa fase de grande atividade e que todas as divindades e espíritos estão extremamente atarefados. Não preciso dizer que isso se deve à aproximação da Era do Dia, que é regida por Deus, ao passo que a da Noite era regida por Buda.

Passemos, agora, ao Plano Inferior.

O mais baixo dos três níveis que constituem o Plano Inferior é chamado pelos xintoístas "Nezoko no Kuni" (Reino do Fundo da Raiz); os budistas o chamam de "Gokukan Jigoku" (Inferno de Frio Extremo), e no Ocidente dão-lhe o nome de Inferno. Mas, seja qual for a designação, é um local completamente escuro e gelado. O espírito que cair aí, fica sem enxergar nada durante dezenas ou centenas de anos; petrificado pelo frio intenso, não pode se mover nem um centímetro. Sua situação é tão lastimável, que não encontro adjetivos para descrevê-la. O que eu ouvi de um espírito salvo desse local fez-me arrepiar os cabelos. O gélido Inferno retratado por Dante Alighieri na "Divina Comédia" não é absolutamente nenhuma fantasia.

O nível médio do Plano Inferior é o local onde existe carnificina, desejo carnal animalesco, fome, monte de agulhas, lagoa de sangue, poço de serpentes, sala das abelhas e das formigas e outras coisas de que se costuma falar. Os demônios encarregados da vigilância assemelham-se àqueles que vemos nos desenhos, pintados de verde ou vermelho.

Um dos castigos do Inferno consiste em açoitar os espíritos com barras de ferros cheias de espinhos. Segundo eles relatam, a dor é muito maior do que se fosse no corpo carnal, porque, sem a proteção deste, a parte espiritual correspondente aos nervos é atingida diretamente.

Darei mais alguns exemplos de sofrimentos infernais.

Monte de agulhas, a própria expressão já está dizendo o que é: os espíritos são obrigados a andar descalços em cima de agulhas, e a dor que sentem é algo indescritível.

A lagoa de sangue é o lugar para onde vão obrigatoriamente os espíritos das pessoas cuja morte foi motivada por gravidez ou parto. Pelo que ouvi de muitos espíritos, eles ficam submersos até o pescoço nessa lagoa, o ar está impregnado do cheiro de sangue, e continuamente uma infinidade de insetos e vermes sobem até o seu rosto, provocando uma sensação tão horrível que eles se vêem incessantemente obrigados a tirá-los com a mão. Esse sofrimento geralmente dura mais ou menos trinta anos.

Quanto à sala de abelhas, foi descrita pelo espírito de uma gueixa que incorporou no empregado de um salão de beleza. Os espíritos são colocados dentro de uma caixa onde mal cabe uma pessoa, e inúmeras abelhas picam todo o seu corpo, causando-lhes um sofrimento espantoso.

O castigo do fogo é infligido àqueles que morreram queimados ou se atiraram na cratera de um vulcão ativo.

Vou relatar um caso sobre esse castigo.

Um homem de meia-idade sofria de epilepsia causada por fogo. Ele conta que, à noite, deitava-se na cama e adormecia, mas à meia-noite despertava. Então, a uns dez metros de distância, enxergava labaredas que cada vez se tornavam mais próximas. Quando chegavam bem perto, ele tinha um espasmo e ficava com uma febre altíssima. Sentia todo o corpo queimar e entrava em transe. Isso havia começado no ano seguinte ao Grande Terremoto, razão pela qual se pode concluir que, em outra vida, ele morrera carbonizado por ocasião de um terremoto.

Relações carnais impuras entre homem e mulher fazem com que os espíritos caiam no Inferno, mas a situação varia de acordo com a gravidade do caso. Por exemplo: quando eles se suicidam por amor, os espíritos de ambos ficam ligados e não podem se separar. Isso é causado pelo desejo que tiveram de permanecer sempre juntos. Os que se suicidam abraçados ficam grudados, sentindo uma vergonha tão grande, que se arrependem seriamente. Às vezes lemos nos jornais a notícia do nascimento de gêmeos ligados por uma parte do corpo; geralmente se trata da reencarnação de um casal que se suicidou por amor. Em casos de amor abomináveis - por exemplo, entre pais e filhos, entre irmãos, entre alunos e professores, etc. - os espíritos também ficam grudados, mas, enquanto um permanece de pé, o outro fica de cabeça para baixo. O incômodo e a vergonha a que os espíritos se expõem levam-nos a um profundo arrependimento.

Diante de tudo isso, poderão entender o equívoco daqueles que, por causa de um amor impossível, recorrem ao suicídio acreditando poderem alcançar a felicidade no Céu. Pode-se, também, compreender claramente a justiça reinante no Mundo Espiritual.

É preciso saber ainda o que acontece com os que são avarentos no Mundo Material, apesar de possuírem muito dinheiro. Trata-se de pessoas materialmente ricas, mas espiritualmente pobres. Passando para o Mundo Espiritual, ficam numa situação de penúria e reconhecem seu erro. Outros, porém, no Mundo Material, têm um nível de vida inferior ao da classe média, mas se contentam com o que têm, vivendo a vida cotidiana cheios de gratidão e empregando suas economias em obras que visam à salvação da humanidade. Ao entrarem no Mundo Espiritual, tornam-se ricos e vivem muito felizes.

Mas existe outra causa para o empobrecimento dos milionários. Há pessoas que não desembolsam o dinheiro que deveriam desembolsar ou não pagam o que deveriam pagar, e isso constitui uma espécie de roubo; espiritualmente, estão acumulando dinheiro furtado, a que se acrescentam juros. O resultado é que os bens vão se esgotando, e, pela Lei do Espírito Precede a Matéria, um dia essas pessoas acabam perdendo tudo o que têm. Muitas vezes vemos o herdeiro de um novo-rico esbanjar toda a fortuna da família por incapacidade ou imoralidade, mas, conhecendo o princípio acima referido, poderão compreender por que isso acontece.

Falemos agora sobre o nível mais alto do Plano Inferior.

É o local para onde vão os espíritos que estão prestes a alcançar o Plano Intermediário, após terem sofrido os castigos infernais. Por conseguinte, os trabalhos a que estão submetidos são de natureza leve, como, por exemplo, servir os alimentos oferecidos nas Moradas dos Ancestrais, consagrados nas casas dos seus descendentes, levar mensagens, dar assistência a outros espíritos, etc. A propósito, convém saber algo a respeito dos alimentos ofertados aos espíritos.

Embora desencarnado, o espírito sente fome se não se alimentar. Mas em que consiste esse alimento? O espírito serve-se do espírito dos alimentos; entretanto, ao contrário do que acontece no Mundo Material, ele se satisfaz com pouca quantidade de comida. Sua alimentação diária consta de uns três grãos de arroz. Portanto, a comida comumente ofertada nos lares dá para um grande número de espíritos e ainda sobra muito. As sobras são dadas àqueles que se encontram na camada dos famintos. Graças a isso, os espíritos ligados a essa família elevam-se mais rapidamente.

Sempre que possível devemos oferecer alimentos aos antepassados, pois, levados pela fome, eles podem se ver forçados a roubar para comer, e, conseqüentemente, cair no Inferno ou encostar em animais, como cão ou gato. Quando o branco se mistura com o vermelho, fica vermelho, e o mesmo acontece quando o espírito humano encosta em animais: vai se degradando progressivamente até que se animaliza. Quando ocorre a reencarnação de um espírito híbrido de homem e animal, o corpo toma a forma desse animal. Existem cavalos, cães, gatos, raposas, texugos e serpentes que entendem o que os homens dizem: trata-se da reencarnação de espíritos híbridos. Sob forma animal, eles são obrigados a um certo grau de aprimoramento, terminado o qual, voltam a nascer sob forma humana.

Há ocasiões em que, após matarem cobras, gatos, etc., as pessoas são perseguidas por grandes sofrimentos. Muitos os atribuem àquele ato, e na maioria das vezes têm razão. Tratando-se de espírito humano sob forma de animal, ele se vinga; se não for o caso, isso não acontece. Na casa de famílias tradicionais, às vezes existe uma cobra de cor verde chamada comumente de "Aodaisho". Nela está reencarnado o espírito híbrido de um ancestral e de uma cobra, o qual está protegendo seus descendentes. Se estes a matarem, ela se zangará e fará sérias advertências. Caso não se dê atenção a essas advertências, poderá ocorrer a morte de um dos descendentes ou chegar-se ao extremo de ver extinta a família, razão pela qual se deve tomar muito cuidado. O mesmo pode acontecer quando se destrói o "Inari" (5)(### "Inari": Numa crença popular japonesa, capelinha onde se cultua o espírito de raposa ###) ou quando se deixa de realizar cerimônias que nele vêm sendo realizadas há muito tempo.

Citei vários exemplos, e entre os leitores provavelmente há alguém que conhece ou ouviu falar de casos que se enquadram dentro daquilo que acabo de explicar.

Vou contar uma das experiências que tive.

Uma vez fui ministrar Johrei numa casa onde havia um cão de grande porte. O dono da casa esclareceu: "Esse cão não é normal. Nunca sai para a rua, vive a maior parte do tempo dentro de casa e só se senta em almofada de seda. Se uma pessoa da família o chama, ele atende, mas o mesmo não acontece se for um empregado. Em relação à comida também é cheio de luxo, e jamais come coisas vulgares. Entende perfeitamente o que lhe falam e não gosta de ficar na cozinha nem nas salas e cômodos inferiores; em tudo, enfim, é idêntico a um ser humano". Então eu dei a seguinte explicação: "Esse cão é um ancestral seu que se degradou ao nível de vida dos irracionais, reencarnando em forma de cão. Pela afinidade espiritual, foi parar na sua casa. Por isso ele faz questão de que lhe dispensem o tratamento devido a um ancestral". O dono da casa entendeu a explicação e ficou satisfeito.

O caso seguinte, também verídico, foi vivido por um dos meus discípulos. Eis o que ele contou:

"Há uns vinte e cinco anos, tendo tomado conhecimento de que uma senhora de meia-idade, residente em Yokohama (principal porto do Japão), estava sofrendo uma tortura incomum, fiquei muito curioso e fui visitá-la. Ela usava um pano branco em volta do pescoço, e qual não foi a minha surpresa quando ela o tirou: havia uma cobra enroscada em seu pescoço! Essa cobra entendia o que lhe falávamos, e na hora das refeições a referida senhora pedia permissão para se alimentar, dizendo que limitaria a comida a uma ou duas tigelas. Nesse caso, a cobra afrouxava a pressão, mas, quando o limite prometido era ultrapassado, pressionava novamente e não a deixava comer de forma alguma. Foi a própria senhora que me contou por que aquilo acontecia.

Pouco depois do seu casamento, a sogra adoeceu, e ela não lhe dava comida, para que morresse logo. De fato a sogra acabou falecendo, mais por falta de alimento do que pela própria doença. Por esse motivo, seu espírito foi tomado de grande ódio e, para vingar-se, reencarnara sob forma de cobra e torturava a nora daquela maneira. Assim, esta queria alertar as pessoas o mais possível sobre a temeridade daquele pecado, a fim de redimir-se um pouco que fosse".

A respeito do trabalho dos animais, há um pensamento errado. O erro consiste em colocá-los no mesmo nível do ser humano. Os trabalhos que deles são exigidos, podem parecer muito cruéis do ponto de vista humano, mas não tanto como se está pensando. Bois e cavalos, por exemplo, até desejam ser maltratados, por isso caminham devagar, propositalmente, desejando ser chicoteados. Não correm por causa da dor, mas para saborear o prazer do açoite. Entre os homens, existe uma anomalia sexual conhecida como sadismo, em que as pessoas atingem o orgasmo maltratando o corpo do outro. Isso é motivado pelo encosto do espírito de animais como bois e cavalos. Sendo assim, é muito bom defender os animais, mas antes deveríamos pensar em defender os homens que são tratados desumanamente.

Para finalizar, acrescento uma explicação sobre a Moradia dos Ancestrais do Lar, do tipo budista. Seu interior representa o Paraíso, e para ali são convidados os ancestrais. No Paraíso, a comida e a bebida são fartas, há todos os tipos de flor, cujo perfume impregna o ar, e soam as músicas mais belas e suaves, de modo que se deve copiar tudo isso, oferecendo aos ancestrais alimentos, flores e incenso. Mesmo nos templos, o bater do bloco de madeira ou de pratos de metal, o toque de flautas, etc., têm efeito de música. O bater do sino na ocasião em que se oferece a comida, serve de chamada para os espíritos.

Meishu Sama em 5 de fevereiro de 1947.

CAMADAS DO MUNDO ESPIRITUAL

Já expliquei que o Mundo Espiritual está constituído dos planos Superior, Intermediário e Inferior, mas explicarei agora a estreita relação entre eles e o destino do homem.

Cada um desses planos se subdivide em sessenta camadas, de modo que, no total, são cento e oitenta camadas. Eu as chamo de Camadas do Mundo Espiritual.

O homem nasce no Mundo Material por desígnio de Deus. Creio que, nesse sentido, o elemento "mei" (desígnio), que aparece em "seimei" (vida), tem a mesma significação que o "mei" de "meirei" (ordem).
Eis uma pergunta que todos fazem: por que razão o homem nasce? Enquanto não compreender isso, o homem não poderá ter comportamento correto nem verdadeira tranquilidade, estando sujeito a levar uma vida vazia e ociosa.

O objetivo de Deus é fazer da Terra um mundo ideal, ou melhor, construir o Paraíso Terrestre. No desenvolvimento do Seu plano, há uma grandiosidade que não pode ser expressa com palavras, pois o progresso da cultura não tem limite. Assim, todos os acontecimentos da História Mundial, até hoje, não passaram de operações básicas para concretizar o objetivo de Deus. Este, concedendo diferentes missões e características a cada pessoa e alternando a vida e a morte, está fazendo evoluir Seu plano em direção ao objetivo estabelecido. Portanto, concluímos que o bem e o mal, a guerra e a paz, a destruição e a construção são processos necessários à evolução.

Como já expliquei minuciosamente, estamos atravessando a fase de transição da Noite para o Dia. O mundo, atualmente, está prestes a dar um grande salto para a Nova Era, e a humanidade, libertando-se da selvageria, está procurando alcançar o mais alto nível da cultura. Aí, a guerra, a doença e a pobreza terão fim. É claro que o aparecimento do Johrei é o prenúncio disso e constitui mesmo um fator essencial.

Para o cumprimento de Seu plano, Deus emite ordens ao homem constantemente, através de algo que é como a semente de cada indivíduo numa das camadas do Mundo Espiritual. Dei-lhe o nome de YUKON. A ordem é primeiramente baixada ao YUKON, e este, através do elo espiritual, a transmite à alma, núcleo do corpo espiritual do homem. Entretanto, é dificílimo o homem comum conseguir perceber a ordem Divina; somente aqueles cujo corpo espiritual foi purificado até certo ponto é que o conseguem. Essa percepção é dificultada não só pela grande quantidade de máculas, mas também pela ação de Satanás, que se aproveita dessas máculas. Uma prova disso é que, às vezes, as coisas não correm como o homem deseja, e o seu destino toma um rumo que ele jamais imaginaria. Existem, também, pessoas que se sentem sempre governadas por uma força estranha e não conseguem mudar seu destino. É que, de acordo com a posição do YUKON no Mundo Espiritual, há diferença na missão e também no destino. Isto é, quanto mais alta for a camada em que estiver o YUKON de uma pessoa, melhor ela perceberá as ordens Divinas e mais feliz será. Ao contrário, quanto mais baixo ele estiver, mais infeliz a pessoa. As camadas superiores correspondem ao Céu: mundo de alegria, saúde, paz e riqueza material; em contraposição, as camadas mais baixas correspondem ao Inferno: mundo de sofrimento, doença, conflito e pobreza. Assim, para ser verdadeiramente feliz, o homem deve, antes de mais nada, elevar a posição do seu YUKON.

E como é que ele pode conseguir isso? Purificando seu corpo espiritual. Este está sempre se elevando ou baixando, dependendo da quantidade de máculas; o espírito purificado se eleva, por ser leve, e o espírito maculado desce, pelo peso das máculas. Portanto, para purificar seu espírito, o homem deve praticar boas ações e acumular virtudes.

Meishu Sama em 5 de fevereiro de 1947.

A EXISTÊNCIA DO MUNDO ESPIRITUAL

Em primeiro lugar, é preciso entender a finalidade do nascimento do homem.

Deus criou o homem para construir o Mundo Ideal, que é o objetivo do Seu governo na Terra, concedendo-lhe missões específicas e utilizando-o conforme Sua vontade. A evolução da era primitiva para a brilhante era cultural de hoje e também o desenvolvimento da inteligência humana até chegar ao estágio atual, foram dirigidos exclusivamente para esse fim.

Não só o homem - criatura de nível mais elevado - mas todas as outras criaturas, inclusive os vegetais e minerais, enfim tudo aquilo que tem forma, está constituído de dois elementos fundamentais: espírito e corpo. Havendo separação desses elementos, o ser deixa de existir, seja ele qual for. Mas pretendo falar apenas sobre o homem.

Quando o corpo carnal se torna inútil, por velhice, doença, perda de sangue, etc., o espírito o abandona e dirige-se ao Mundo Espiritual, onde passa a viver. Esse fenômeno é idêntico no mundo inteiro, seja qual for a raça. Há muitas obras de autores famosos tratando do assunto, entre elas a que se intitula "Raymond", da autoria de Sir Oliver Lodge (1851-1940), editada na Inglaterra logo após a Primeira Guerra Mundial. Ele registra as mensagens que lhe foram enviadas do Mundo Espiritual por um filho seu que falecera na Bélgica, durante uma batalha daquela guerra. Na época, o livro foi lido por muitas pessoas de diversos países, surgindo daí inusitado movimento de pesquisa do Mundo Espiritual e também grandes médiuns.

Também o famoso autor de "O Pássaro Azul", o belga Maurice Maeterlinck (1862-1949), tornou-se um estudioso dos fenômenos sobrenaturais após reconhecer a existência do espírito. Com a publicação, logo a seguir, do livro "Exploration in the Spiritual World", do Dr. Ward, as pesquisas tomaram um impulso ainda mais extraordinário. Nesta obra ele descreve minuciosamente o Mundo Espiritual. Conta que, uma vez por semana, entra em estado de transe, sentado numa cadeira, e se transporta para lá. Nessas ocasiões, o espírito de um tio seu acompanha-o para mostrar-lhe todos os aspectos daquele mundo, orientando-o sobre a sua verdadeira natureza. Também os espíritos de seus amigos e conhecidos desempenham papel de instrutores, enriquecendo sobremaneira os conhecimentos que lhe são ministrados. Trata-se de uma obra muito interessante, que pode ser de grande validade para o conhecimento da vida no Mundo Espiritual, razão pela qual espero que os leitores a leiam.

Inegavelmente há alguns aspectos diferentes entre o Mundo Espiritual do Ocidente e o do Japão. Pretendo posteriormente, através de diversos exemplos, explicar os fenômenos de um e de outro.

Notícias procedentes da Inglaterra há mais de dez anos, dizem que surgiram naquele país centenas de sociedades de pesquisas psíquicas desenvolvendo intensas atividades, e que até foi fundada uma universidade para esse fim, mas eu gostaria de saber a situação presente, porque, com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, não tive mais notícias a respeito.

Meishu Sama em 25 de agosto de 1949.

A CONSTRUÇÃO DO PARAÍSO E A ELIMINAÇÃO DO MAL

Para que este mundo se transforme em Paraíso - objetivo de Deus - existe uma condição fundamental: eliminar a maldade que a maioria dos homens traz no mais profundo recanto de suas almas. Pelo senso comum, as criaturas desaprovam o mal e temem o contato com ele. A Moral, a Ética e a Educação procuram reprimi-lo. A Religião, também, tem por ensinamento básico recomendar a prática do bem e combater o mal. Observando a sociedade, vemos que os pais repreendem os filhos; os maridos, as esposas; as esposas, os maridos; os patrões, os empregados. A tudo isso, acrescentam-se as leis, que, por meio de sanções, tentam impedir o mal. Entretanto, apesar de todo esse esforço, a quantidade de pessoas más é incalculavelmente maior que a de pessoas boas; para termos uma idéia mais precisa, entre dez, pessoas, talvez nove sejam más.

Falando em homens maus, devemos lembrar-nos de que existem vários níveis de mal: os grandes, os médios e os pequenos. Citemos alguns exemplos: o mal premeditado, praticado conscientemente; o mal que cometemos inconscientemente, sem perceber que o estamos cometendo; o mal que praticamos por não haver outro recurso; o mal que fazemos acreditando ser um bem. O primeiro não necessita de maiores esclarecimentos; o segundo é o que mais se vê; o terceiro, em termos de povos, é praticado pelos selvagens, e, em termos individuais, pelos loucos e pelos retardados, consequentemente não é tão grave; já o quarto, isto é, o mal que se faz pensando ser um bem, é o mais prejudicial, pelo empenho com que as pessoas o praticam, sem o esconder.

Deixarei os detalhes para o fim; agora quero mostrar a forma como geralmente se encara o mal, do ponto de vista do bem.

Observando o mundo contemporâneo, constatamos que o predomínio do mal é tão grande, que podemos perfeitamente dizer que ele é o mundo do mal. A História nos dá inúmeros exemplos de homens bons que foram atormentados pelos perversos; da situação inversa eu nunca ouvi falar. Como o mal possui mais adeptos que o bem, enquanto os malvados vivem burlando as leis e agindo como bem entendem, os bons ficam subjugados, vivendo constantemente sob terror. Esta é a situação do mundo atual. Por serem mais fracos, os bons são sempre atormentados e maltratados pelos maus.

A democracia surgiu em contraposição a esse absurdo estado de coisas e por isso tem uma origem natural. O Japão, que viveu sob o domínio do pensamento feudal, insistiu em manter uma sociedade onde os fracos são vítimas dos fortes, mas, felizmente, com a ajuda do exterior, conseguiu implantar o regime democrático. Por esse motivo, ao invés de dizermos que, no Japão, a democracia teve uma origem natural, devemos dizer que ela foi um resultado natural. Eis um raro exemplo da vitória do bem sobre o mal. Contudo, a democracia japonesa ainda não está muito firme; em vários setores há resquícios de feudalismo. E talvez eu não seja a única pessoa a perceber isso.

Vejamos, também, a relação entre o mal e a cultura.

O aparecimento daquilo a que se costuma chamar cultura pode ser explicado da seguinte maneira:

Na era subdesenvolvida e selvagem, os fortes pressionavam os fracos tolhendo-lhes a liberdade, impondo-lhes a força, cometendo assassinatos e agindo como bem entendiam. Como resultado, os fracos inventaram vários meios de defesa: fabricaram armas, construíram muralhas, facilitaram os transportes, etc. Em grupos ou mesmo sozinhos, eles se esforçavam de todas as maneiras possíveis. Isso, naturalmente, serviu para desenvolver a mente humana. Com o correr do tempo, para garantir a segurança dos fracos, fizeram-se contratos entre grupos, os quais, possivelmente, deram origem aos acordos internacionais de hoje. Socialmente, foi criado algo semelhante às leis, com o objetivo de limitar o mal; transcrito em forma de códigos, isso deu origem às modernas legislações.

Entretanto, com métodos tão superficiais, não foi possível eliminar o mal que há no ser humano. Conforme podemos ver, da era primitiva até hoje os homens vêm lutando contra o mal, em defesa do bem. E quanto a humanidade tem sofrido com isso! Quantas pessoas boas foram sacrificadas! Para aliviar tão grande sofrimento, apareceram vários religiosos de grande porte. Como os fracos eram sempre atormentados pelos fortes e não tinham forças suficientes para se defender, esses religiosos pelo menos tentaram amenizar espiritualmente suas aflições e dar-lhes esperança. Ao mesmo tempo, para combater o mal, pregaram a Lei da Causa e Efeito, na tentativa de obter o arrependimento e a conversão dos perversos. É inegável que obtiveram alguns resultados positivos, mas não conseguiram mudar a maioria.

Por outro lado, materialmente, instituíram-se os estudos, desenvolvendo-se a cultura material como uma tentativa para combater, através do seu progresso, a infelicidade acarretada pelo mal. O progresso dessa cultura foi muito além do que se podia imaginar; entretanto, não só ela foi inútil no sentido de evitar o mal - seu primeiro objetivo - mas acabou sendo usada para fins maléficos, gerando atos de crueldade cada vez maiores. Essa foi a razão pela qual as guerras passaram a ser realizadas em grande escala, até que acabou se inventando a monstruosa e terrível bomba atômica. Atingindo esse ponto, podemos dizer que chegamos a uma época em que se tornou impossível fazer a guerra. Falando sem reservas, é realmente uma ironia a cultura material ter progredido com a ação do mal e, através deste, ter se chegado a um tempo em que a guerra é impraticável. Naturalmente, no fundo de tudo isso está o milenar e profundo Plano de Deus.

Tanto os espiritualistas como os materialistas desejam um mundo de paz e felicidade, mas isso não passa de um ideal, porque a realidade que nos cerca é bem diferente. Assim, os intelectuais vivem cercados por um mar de dúvidas, batendo a cabeça contra as paredes. Entre eles, existem os que procuram a Religião, a Filosofia e outros meios para decifrar esse enigma; a maioria, no entanto, acredita que o progresso científico resolverá todos os problemas O fato é que a humanidade continua sofrendo, sem perspectivas de uma situação melhor.

A seguir, descreverei como será o futuro do mundo.

Se o mal é a causa fundamental da infelicidade humana, conforme dissemos, levanta-se a seguinte questão: por que Deus o criou? Esta é a pergunta que mais tem atormentado o homem até os dias de hoje. Eis, porém, que finalmente Deus esclareceu a Verdade, que eu passo agora a anunciar.

O mal foi necessário até o momento porque, através do conflito entre ele e o bem, a cultura material pôde progredir até chegar ao ponto em que se encontra. É surpreendente! Embora nem em sonho pudéssemos imaginar que o motivo fosse realmente esse, é a pura verdade. A propósito, falarei primeiramente sobre a guerra.

A guerra ceifou milhares de vidas e, por ser tão trágica, os homens a temem mais do que tudo. Para fugir a essa catástrofe, usaram todos os recursos da inteligência humana, e nem precisamos falar o quanto isso contribuiu para o progresso da cultura. Entre outras coisas, a História nos mostra claramente que, após as guerras, tanto os países vencedores como os vencidos progrediram enormemente. Todavia, se elas chegassem ao extremo ou se prolongassem demasiadamente, os países seriam totalmente aniquilados, o que representaria a destruição da cultura. Sendo assim, Deus as detém num certo ponto, fazendo com que retorne a paz. Através dos relatos históricos, vemos que sempre houve alternância de períodos de guerra e períodos de paz.

Na sociedade, a situação é idêntica. Os criminosos e as autoridades vivem fazendo competição de inteligência. Os desajustes de relacionamento entre as pessoas também são decorrentes da luta entre o bem e o mal. Podemos entender, no entanto, que essas divergências contribuem para o desenvolvimento da inteligência humana.

Ora, se até hoje a cultura progrediu graças aos atritos entre o bem e o mal, é lícito afirmar que este foi imprescindível. Contudo, precisamos saber que não é uma necessidade eterna, ou seja, há um limite para ela. A esse respeito, devo dizer que, atrás de tudo isso, está o objetivo de Deus, que comanda o Universo. Em termos filosóficos, a expressão seria Ser Absoluto, ou Vontade Universal.

A começar por Cristo, todos os fundadores de religiões fizeram profecias sobre o "Fim do Mundo", mas essa expressão, em verdade, significa o fim do mundo do mal e o advento de um mundo ideal - o Paraíso Terrestre, isento de doença, pobreza e conflito, o Mundo de Verdade, Bem e Belo, o Mundo de Miroku, o Reino dos Céus, etc. Os nomes diferem, mas o significado é um só.

A construção de um mundo tão maravilhoso requer um preparo à altura; um preparo completo, que preencha todas as condições, tanto do ponto de vista espiritual como do ponto de vista material. Deus determinou que primeiro se efetuasse o progresso material, pois o progresso espiritual não está preso ao tempo, podendo ser efetuado de uma só vez, ao contrário daquele, que necessita de muitos e muitos anos. Para preencher a primeira condição, fez com que, inicialmente, os homens ignorassem Sua existência, concentrando-se apenas nas coisas materiais. Foi assim que surgiu o ateísmo, condição básica para a criação do mal. Assim fortificado, o mal impingiu maiores sofrimentos ao bem e, prosseguindo na luta, atirou o homem ao abismo do sofrimento. Mas o homem sempre se debateu, na ânsia de sair desse abismo, o que desencadeou a força geradora de um grande impulso no progresso da cultura. Foi trágico, porém inevitável.

Com tudo que dissemos, creio que puderam ter uma noção básica sobre o bem e o mal. Tendo finalmente chegado o tempo em que o mal não será mais necessário, ou seja, o tempo presente, a questão é seriíssima. Não se trata de previsão nem sonho; é a pura realidade. Acreditando ou não, o fato já está saltando aos nossos olhos, através do extraordinário progresso da ciência nuclear. Por conseguinte, se estourasse uma nova guerra, não seria uma simples guerra e sim a destruição total, a extinção da humanidade. Não obstante, esse progresso é uma forma de extinguir o mal e, por isso, torna-se motivo de alegria. Como resultado, a cultura, que até hoje foi aproveitada pelo mal, sofrerá uma reviravolta, ficando à inteira disposição do bem. Daí surgirá o tão almejado Paraíso Terrestre.

Meishu Sama em 13 de agosto de 1952.